Ernesto Guerra da Cal (Ferrol, 1911 - Lisboa, 1994)

Ernesto Guerra da Cal (Ferrol, 1911 - Lisboa, 1994)

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar
no Facebook Compartilhar
no DoMelhor

"Este estudo é obra de amor. Um amor já antigo. Amor que me levou, muito cedo na minha vida, a internar-me com uma curiosidade gozosa pelas verdes veigas e as praias sonoras da literatura portuguesa –que representaram para mim um assombrado encontro com o meu próprio espírito, uma inesperada descoberta da minha verdadeira intimidade. Portugal era o desenvolvimento cultural, pleno, da minha Galiza natal. Era o que a Galiza deveria ter sido se as vicissitudes e os caprichos da História não a tivessem transviado do seu destino natural, deturpando a sua fisionomia espiritual, quebrando a sua tradição, impondo-lhe formas de cultura alheias, estranhas ao seu carácter"

(Ernesto Guerra da Cal, "Nota Prévia" a Lengua y Estilo de Eça de Queiroz, Acta Universitatis Conimbrigensis, Coimbra, 1954).

 

"O verdadeiro meridiano espiritual galego passa por Lisboa e pelo Rio de Janeiro –e quanto antes reconheçamos esta verdade, antes se abrirão à nossa antiga voz recuperada as possibilidades de ecoar fora dos restritos confins comarcais nos quais nos estamos fechando, cegos às vastas perspectivas que temos diante dos olhos"

(Ernesto Guerra da Cal, "Nota do Autor" a Lua de Além-Mar, in ed. Galaxia, 1959; e AGAL, 1991).

 

"Em poucas gerações poderá a Galiza contemplar o seu velho rusticado rosto no límpido espelho da língua portuguesa, que lhe devolverá a sua imagem real e ideal de Terra prometida e livre –e orgulhosa da sua voz, que virá então a tornar o seu lugar de antiguidade no coro ecuménico, terceiro do mundo, de europeus, americanos, africanos e asiáticos que se exprimem na língua de Camões, de Rosalia e de Machado de Assis –perto de 200 milhões de almas que ocupam uma sétima parte do Globo (...) Como poeta, embora humilde, que sou, reclamo o que de jus me cabe: o direito a sonhar com uma estrutura da Hispânia mais em harmonia com a pluralidade dos Povos que a compõem; o direito a sonhar que nessa nova ordenação o Minho deixe de ser uma linha de saparação política para passar a ser apenas uma bela fita de prata numa paisagem comum; o direito a sonhar com a resposta de uma Galiza livre ao apelo lançado pelo poeta Lopes Vieira: ‘Deixa a Castela e vem com nós’; o direito, enfim, a sonhar com aquela ‘Portugaliza’ ideal dos dois Povos do Cabo da Europa que visionaram Pondal e Teixeira de Pascoaes –e Mestre Lapa, vitalício sonhador, que, graças a Deus, continua a nutrir sonhos animadores de realidades ".

(Ernesto Guerra da Cal, "Antelóquio indispensável", in Futuro Imemorial. Manual de Velhice para Principiantes, Lisboa, 1985).

 

"Por isso é para mim tão gratificante esta iniciativa da AGAL. Pois com esta nova edição vou ver aparecer na amada Terra natal –única Pátria do meu espírito— esta já minha pálida Lua e este meu já cinzento Rio,desconhecidos para o público leitor das gerações mais novas, trajados agora com o vestido portugalego do resto da minha obra lírica. Isto é com a "koiné" do mundo universal da Lusofonia, à qual –seja qual fôr o Destino que Deus venha providenciar para a Galiza— eu, pela LÍNGUA –que é o crisol da ALMA— pertenço".

(Ernesto Guerra da Cal, "Nota Preambular" a Lua de Além-Mar e Rio de Sonho e Tempo, ed. AGAL, 1991).

 

"Guerra da Cal é um fenómeno, um monstro da natureza, uma fonte de vida, de energia e de inspiração. Professor, crítico, ensaísta, poeta, ele é, sobretudo, um homem prodigiosamente vivo: atleta, operário (construiu uma casa com as suas próprias mãos), soldado (combateu, na Guerra Civil de Espanha, do lado republicano), ex-amigo de Lorca e de não seu quantos mais, Guerra da Cal é um daqueles homens a quem o imenso saber não arranja maneira de ressequir. (...) Seria fastidioso, interminável, e pouco adequado inventariar aqui, de modo exaustivo, a bibliografia deste grande trabalhador e dinamizador de cultura, deste galaicoportuguês de dimensões universais, deste mestre supremo de língua e literatura, deste sage sedutor, deste grande civilizado que é também um invulgar mestre de viver".

(Eugénio Lisboa, Colóquio Letras, Julho-Dezembro 1992; e Agália, Outono 1994).

 

"Ademais, Guerra sustinha que Eça devia ser considerado como um escritor verdadeiramente ‘galego’, nom só por ser nativo da zona mais setentrional de Portugal, que forma parte da antiga Gallaecia romano-sueva e medieval com a mesma plenitude que qualquer zona da Galiza actual, mas também por possuir ascendência da Galiza nortenha (com efeito, no apelido Eça oculta-se seguramente um Deça, indicando procedência da Terra do Deça)".

(José Martinho Montero Santalha, A Nosa Terra, 19-VIII-1994).

 

"Guerra da Cal deixou também uma apreciável produção lírica. Nela ecoam temas, paisagens e mitos de uma Galiza que, mesmo durante os longos anos passados no estrangeiro, não se desvaneceu da memória de Guerra da Cal: é muitas vezes com nostalgia e discreta melancolia que a terra galega é evocada em livros como Lua de Alén Mar (1959) e Rio de Sonho e Tempo (1963) (...) Já nos últimos anos da sua produção poética, Guerra da Cal tematiza, sob um olhar um tanto irónico, preocupações próprias de uma idade madura mas sempre serena: o tempo, a morte e o amor".

(Carlos Reis, Dicionário de Literatura Portuguesa, 1996).

 

"Ernesto Guerra da Cal, personalidade projectada e realizada, como nengumha outra galega, nos vastos horizones da lusofonia (e da lusofilia) além-minhota".

(José Luís Rodríguez, Estudos dedicados a Ricardo Carvalho Calero, Parlamento de Galiza-Universidade de Santiago de Compostela, 2000)

 

ERNESTO GUERRA DA CAL

 

Ernesto Guerra da Cal (Ferrol, 19-XII-1911/ Lisboa, 28-VII-1994) é o galego que conseguiu um maior reconhecimento no mundo pola sua produçom científica, e também o poeta em língua galega do século XX mais celebrado pola crítica internacional. Assim se visa demonstrar neste breve e muito elementar trabalho, que acompanha alguns dos principais momentos da sua biografia e produçom científico/literária, desenvolvida em numerosos países e línguas.

Ao nascer foi registado, em Ferrol, com o nome de Ernesto Román Laureano, e assina os seus primeiros trabalhos como Ernesto Pérez Güerra. Desde Abril de 1945, ao renunciar à nacionalidade espanhola e naturalizar-se norte-americano, adapta o seu nome para o sistema onomástico anglo-saxónico e, no sucessivo, assinará como Ernesto Guerra da Cal, nome portanto que nom constitui nengum pseudónimo nem heterónimo, como por erro se tem indicado por vezes em trabalhos publicados na Galiza.

Quando ainda nom contava um ano de idade morreu-lhe o pai, o que provocou a sua deslocaçom para Quiroga, onde ele e o seu irmao ficárom ao cuidado de umha tia, Teteyo (a quem dedicará o seu primeiro poemário, Lua de Além-Mar), enquanto a sua mae foi finalizar os estudos em Madrid. Tendo onze anos deslocou-se a residir para Madrid, onde trabalhava sua mae, e onde tem ocasiom de realizar os estudos secundários e mais os universitários, finalizando o Curso de Letras em Junho de 1936. Na capital de Espanha fai teatro, trata os deputados do Partido Galeguista e outras figuras galegas, além da maoria dos vultos principais das espanholas Generación del 98 e Generación del 27, tendo a este respeito especial relevo o seu relacionamento com Federico García Lorca: a Da Cal correspondeu responsabilidade directa nos cinco últimos dos Seis Poemas Galegos, para os quais serviu de "diccionario viviente" ao andaluz, como explica numha conhecida carta a Eduardo Blanco Amor, do ano 1949.

Participa na Guerra de Espanha, nas Milícias Galegas, defendendo a legalidade da República. Nesse período casa em primeiras núpcias com Margarita Ucelay, com quem teria o seu único filho, Enrique. O final da Guerra surpreende-o em Nova Iorque, onde realizava umha missom para o Governo da República, e lá fica a residir, como exilado. Reune-se com a sua esposa e inicia a sua carreira como docente universitário. Na cidade norte-americana coincide com Castelao e colabora com outros hispanistas exilados da Columbia University, em especial Federico de Onís, director do "Instituto Hispánico" da instituiçom docente e ex-alto cargo republicano; nessa Universidade realiza a Tese de Doutoramento, que apresentará com sucesso no final da década de 40, sobre Eça de Queiroz, a primeira sobre Literatura Portugesa nos Estados Unidos. Em 1941 insere-se no quadro docente da New York University (NYU). Nesse tempo, como em anos posteriores, colabora estreitamente com a colectividade emigrante galega de Nova Iorque e do exterior.

Em 1951 atinge a categoria de Professor Catedrático de Línguas e Literatura Románicas na NYU, e principia o desempenho de diferentes cargos e responsabilidades administrativas na própria NYU e em Sociedades Científicas e Profissionais, nomeadamente, desde 1955, da "American Association of Teachers of Spanish and Portuguese", do "Inter-University Seminar of Latin American Studies", da "Modern Language Association of America" (nesta entidade foi "Chairman" do "Bibliography and Research Committee, Section I: Galician, Portuguese and Brazilian Literatures" entre 1955 e 1957), e do "Institute of International Education"; da "New York Academy of Sciencies" (em que ingressa no ano 1958), ou da "Hispanic Society of America" (desde 1960). No ano 1958 funda o Instituto Brasileiro na NYU, e no ano 1959 é distinguido com as medalhas de Doutor Honoris Causa da Universidade da Baía.

Em 1954 a Universidade de Coimbra publica a primeira ediçom de Lengua y Estilo de Eça de Queiroz, volume que recolhe a sua Tese de Doutoramento (ver Bibliografia). Essa primeira ediçom é a única em espanhol, idioma em que tivera que redigir o seu trabalho académico, o que favoreceu a sua recepçom polos hispanistas e teóricos da Estilística e da Literatura Comparada, escolas em que se filiou, que se ocupárom do seu ensaio com meio cento de recensons em sete línguas e onze países, o que prova o grande reconhecimento internacional atingido. Em 1956 colabora no Dicionário de Literatura Portuguesa, Brasileira e Galega dirigido por Jacinto do Prado Coelho, para o qual redigiu a maioria dos verbetes respeitantes a Literatura Galega, Eça de Queirós e mais o Realismo em Portugal.

Os seus primeiros trabalhos literários datam do tempo da Guerra Civil espanhola, na revista dos escritores galegos anti-fascistas Nova Galiza, editada em Barcelona, ao abrigo da Generalitat. Na década de 50 publica de novo, em diferentes revistas, sobretodo de colectividades de emigrantes galegos; e em 1959 sai o seu primeiro livro, Lua de alén mar, em Galaxia. Nesse poemário, como já em trabalhos anteriores, defende claramente o Reintegracionismo. Do ponto de vista de educador tem relevo, nesta década, o ter organizado os pioneiros Junior Year em Espanha e no Brasil, que facilitárom o relacionamento de universitários norte-americanos com os dous países. Em 1952 principiou a sua colaboraçom semanal com a estaçom de rádio Voice of America, que se demorou durante cinco lustros.

Na década de 60, entre os principais factos há que salientar como, em 1963, edita o segundo poemário em Galaxia, Rio de Sonho e Tempo, com um "Limiar" de R. Otero Pedrayo, onde se afirma que "Guerra da Cal, mestre da nova Galeguidade (...) é um dos mellores representantes do esprito de Coimbra e Compostela, da frol oicidental da cultura galaico-portuguesa"; e igualmente nesse ano traduz para inglês as Cantigas de Santa Maria de Afonso X. Em 1964 transfere-se para a City University of New York (CUNY), na qual porá em andamento, entre outras realizaçons, o programa de Doutamento em Português nos Estados Unidos. Nesse mesmo ano traduz Fernando Pessoa por vez primeira para inglês (já em 1947, quando Pessoa era ainda pouco conhecido, dedicou-lhe um trabalho, igualmente em língua inglesa, também pioneiro, no Columbia Dictionary of Modern European Literature) e Langston Hughes para Galego, para além de propiciar, com José Rubia Barcia (outro exilado, como ele natural do Ferrol) o poemário Voz Fuxitiva, da norte-americana Anne Marie Morris, mais umha vez publicado em Galaxia, por causa do estreito relacionamento que Da Cal tinha na altura com o grupo galeguista que regia a editora viguesa. Em 1966 casa, em segundas núpcias, com Elsie Allen da Cal, anglo-portuguesa, quem devotamente acompanhou a sua actividade intelectual. Em 1970 presidiu, pronunciando o discurso inaugural, o "I Congresso de Professores Universitários em Língua Inglesa e Literatura Anglo-Americana do Brasil", celebrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Também nesta década, na revista Papeles de Son Armadans publicou dous breves poemários, Poemas e Motivos do eu. Em 1960 ganhou, em Guimarães, um concurso poético Galego-português, com uma composiçom dedicada a Rosalia de Castro; e em mais de umha ocasiom fôrom organizadas desde a Galiza excursons de galeguistas (entre eles Ramón Piñeiro, Fernández del Riego, Carvalho Calero ou Franco Grande) para cumprimentá-lo na fronteira portuguesa, ao se recusar a pisar o país enquanto perdurasse a ditadura de Franco; porém, na parte final dos anos 60 deslocou-se até Vigo, para visitar a sua mae.

Na década de 70 principia a publicar a tantas vezes qualificada como "monumental" Bibliografia Queirosiana (ver Bibliografia), como "Apêndice" do volume da sua Tese de Doutoramento. A ediçom deste celebrado repositório demorou até 1984 e consta de seis tomos, com mais de 3.000 páginas e 14.000 verbetes. Foi considerado um contributo pioneiro pola crítica literária, pois, na altura, e segundo frisárom várias recensons de reconhecidos especialistas, nom existia nengum trabalho semelhante para outro autor de qualquer literatura. Ainda hoje está a funcionar como umha obra modelar e é constantemente citada polos estudiosos de Eça de Queiroz, e nom só. Em 1971, no Brasil, Estados Unidos, Portugal, Angola e Moçambique, profere a palestra "A Relíquia, romance picaresco e cervantesco", um trabalho de crítica literária em que rebate a tradiçom luso-brasileira contrária a este romance de Eça de Queirós, que perdurava desde o século XIX; esta produçom de Guerra da Cal, editada em Moçambique, Portugal e Brasil, resultou fulcral para consolidar um novo discurso sobre este literato português e favorecer a sua canonicidade. Em 1977 reformou-se, como Professor Catedrático Emeritus de Literatura Comparada da CUNY, e fixou a sua residência em Portugal. Finalizava assim um muito impressionante e exemplar percurso científico/pedagógico, que Elsie Allen da Cal, na sua biografia (1991:35, ver Bibliografia) resume deste modo:

Ao longo de quatro décadas de vida professoral em instituições de ensino superior nas Américas e na Europa visitou 25 países de três continentes, como docente, como congressista, como bolseiro e como conferencista (nesta última capacidade falou em 26 instituições académicas dos E.U.A.). Sempre, por toda a parte, propagou e sustentou a causa da emancipação da Pátria Galega oprimida, e defendeu a dignificação da sua língua –a variante mais antiga da expressão lusíada— empenhada hoje numa luta de sobrevivência, como instrumento de cultura, contra a sua dialectização organizada.

Na década de 80, além de finalizar a Bibliografia Queirosiana, publicou-se a quarta ediçom, e "definitiva", de Língua e Estilo de Eçade Queiroz, realizada por Elsie Allen da Cal, com a sua colaboraçom. Foi designado Membro de Honra da Associaçom Galega da Língua, entidade que, nos anos 1984 e 1987, fizo figurar o seu nome na Presidência de Honra dos I e II congressos internacionais que organizou. Em 1984 publicou Homenage to Federico Garcia Lorca, que faz parte da sua produçom em língua inglesa, como D. C. Warnest. Em 1985, com ensejo do Centenário da Morte de Rosalia de Castro, editou em Lisboa Antologia Poética. Cancioneiro Rosaliano, trabalho de sucesso; e, nesse mesmo ano, também em Lisboa, publicou Futuro Imemorial (Manual de Velhice para Principiantes), precedido de um "Antelóquio indispensável", que é um dos textos mais contundentes que se tem publicado em Portugal sobre a questom do Reintegracionismo. De 1987 data outro dos seus poemários, igualmente lançado em Lisboa, Deus, Tempo, Morte, Amor e outras bagatelas. A 1988 correspondem 6 Poemas a Rosalia de Castro. Em 1989, em Málaga, por causa da estreita amizade que o unia com os poetas Maria Victoria Atencia e Rafael León, residentes na cidade andaluza, edita Espelho Cego. Em 1989 recebeu as medalhas de Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra e, com tal ensejo, a revista Nós, das Irmandades da Fala de Galiza e Portugal, dedicou-lhe, monográfico, os seus números 13-18. Também desempenhou nesta década a presidência da Comissão para a Integração da Língua da Galiza no Acordo da Ortografia Unificada.

Já na década de 90, a Associaçom Galega da Língua reeditou Lua de Além-Mar e Rio de Sonho e Tempo, em 1991. E, de novo, em Málaga, difundiu-se outra produçom literária, Coisas e Loisas. Em 1992, a Universidade de Coimbra publica um seu ensaio queirosiano sobre a génese de "Testamento de Mecenas", trabalho datado uns anos antes, que marca o modelo seguido na ediçom crítica da produçom de Eça de Queirós, em andamento desde aquele mesmo ano. Em Abril de 1994 a AGAL apoiou uma homenagem que lhe foi tributada em Quiroga, onde se lembrou o tempo que passou na sua infáncia e juventude nesse val, e um grupo de docentes e discentes, entre os quais figurava a Professora Maria do Carmo Henríquez, presidenta da AGAL, analisárom e recitárom a sua obra lírica. Em Junho, no mês anterior à sua morte, Guerra da Cal teve em Lisboa um encontro com uma delegaçom da Associaçom Galega da Língua, encabeçada por Maria do Carmo Henríquez. Morreu sem ter regressado a Galiza, apesar dos convites que mesmo a Associaçom Galega da Língua lhe fizo, para que participasse nas suas actividades. Ele recusava, segundo explica Elsie Allen da Cal na sua autorizada biografia já assinalada, "...viver numa pátria colonizada, tanto política e socialmente como no terreno linguístico-cultural...", embora, até ao último instante da sua vida, continuasse "...a nutrir sempre o seu saudoso amor pela Terra, que leva sacramente no seu peito ‘como a Custódia leva a Hóstia’ –e a sonhar com o seu irrenunciável ideal da grande ‘Portugaliza’", mais umha vez em palavras da sua viúva.

Em 1994, a revista Agália publicou o seu derradeiro trabalho, "Nótula lisbonense. Dois lusistas insólitos", no número 38, por ele datado poucos dias antes da sua morte; e esta revista da AGAL dedicou-lhe um volume de homenagen, no número 39; o mesmo que as Irmandades da Fala de Galiza e Portugal em 1995, ano em que a Associaçom Nacional de Estudantes de Letras da Universidade de Santiago o reivindicou como poeta galego num multitudinário acto celebrado na Faculdade de Filologia; e a Universidade de Coimbra, em 1997, publicou mais um volume de homenagem. Também em 1997, no Brasil, foi-lhe dedicada a nova ediçom, em quatro tomos, da Obra Completa de Eça de Queirós, publicada pola editora Aguilar; e a Câmara Municipal de Cascais aprovou honrar a sua memória dedicando-lhe umha rua no Estoril. No ano 1999 a AGAL comemora o 40º aniversário de Lua de Além-Mar e insiste no relevo deste poemário para o Reintegracionismo.

No ano 2000, dentro das actividades oficiais comemorativas do Centenário da Morte de Eça de Queirós, o Governo de Portugal patrocinou o prémio internacional de investigaçom "Professor Ernesto Guerra da Cal", falhado em Março de 2001. Dentro destas comemoraçons queirosianas, Guerra da Cal tivo constante destaque e reconhecimento. Um dos momentos principais foi, sem sombra de dúvida, a exposiçom Eça de Queirós: a escrita do mundo, inaugurada em Junho na Biblioteca Nacional de Lisboa e um dos actos principais das celebraçons, como indicou na apresentaçom do Livro-Programa (ver Bibliografia) da mesma o próprio Ministro da Cultura, na altura Manuel Maria Carrilho. Nessa exposiçom, que teve como comissário o Professor Carlos Reis, Da Cal foi citado constantemente como fonte e referente principal.

Já no ano 2001, a AGAL estreou a primeira Primavera do século XXI com a ediçom de Caracol ao Pôr-do-Sol, poemário póstumo de Da Cal, que ele preparara por volta do ano 1992, e que se publicou com um prólogo do Professor Carlos Reis. Ainda nessa mesma estaçom do ano, na Universidade de Santiago de Compostela, apresentava-se um trabalho académico sobre a sua produçom científica queirosiana.

Durante a sua vida, Ernesto Guerra da Cal foi merecedor de numerosas distinçons e comemoraçons, de instituiçons académicas e de governos, no Brasil, Estados Unidos e Portugal. Entre elas podem salientar-se, no Brasil, a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul e a Medalha Padre Anchieta, polo Governo; a Chave da Cidade do Rio de Janeiro, pola Prefeitura do Distrito Federal do Rio; ou a Medalha Oskar Nobiling, pola Sociedade Brasileira de Língua e Literatura; em Portugal, a Ordem Militar de Santiago-da-Espada e a Ordem do Infante dom Henrique, polo Governo; a Ordem Militar de Nª Sra. da Conceição de Vila-Viçosa, pola Casa Real de Bragança; o prémio de bibliografia Dom Manuel II, pola Fundaçom Casa de Bragança; e foi designado membro de instituiçons como a Sociedade de Geografia de Lisboa, a Academia Internacional da Cultura Portuguesa ou a Academia das Ciências de Lisboa; nos Estados Unidos, a Hispanic Society of America concedeu-lhe a sua medalha, e a University of California at Los Angeles homenageou-no, em 1972, como "Pioneiro dos Estudos Luso-Brasileiros nos Estados Unidos".

Ernesto Guerra da Cal está considerado como figura cimeira da crítica literária, muito em especial em Portugal, onde hoje nom se discute o seu lugar central no queirosianismo. No entanto, os seus contributos atingem outras literaturas (Medieval, Galega, Brasileira, Espanhola e Hispano-americana), para as quais contribuiu com trabalhos considerados de referência, e assim citados por numerosos especialistas. Também tem umha importante produçom lingüística, sendo autor de contributos de relevo para a lexicografia e ortografía galega, assim como de vocabulários e de um dicionário Inglês-Espanhol, entre outras produçons.

Os muito diferentes campos para os quais contribuiu com trabalhos especializados, e o reconhecimento internacional de que desfruta na actualidade, elevam Guerra da Cal à categoria de ser o cientista galego de todos os tempos com maior reconhecimento no mundo, pois nom há nengum outro estudioso, em qualquer actividade do conhecimento, que se lhe poda comparar.

A sua produçom poética foi celebrada pola crítica de vários países, como figura nas páginas 283-288 de Lua de Além-Mar/Rio de Sonho e Tempo (editado pola AGAL, ver Bibliografia, embora esta extraordinária referência esteja hoje muito incompleta). Também se pode afirmar, portanto, que nengum outro poeta galego do século XX teve um reconhecimento de tanto relevo no exterior.

Só a censura que é aplicada contra o Reintegracionismo na Galiza, movimento do qual ele é figura principal, explica que nom tenha atingido a consideraçom que merece no País, e que mesmo se deitem sobre ele juízos e afirmaçons falsas, que ele próprio considerava caluniantes.

No entanto, Ernesto Guerra da Cal é, sem sombra de dúvida, umha das principais figuras da História de Galiza e nome cimeiro do Galeguismo e da Literatura Galega. Activo de inegável centralidade do Reintegracionismo, o avanço para posiçons mais centrais desta doutrina contribuirá para o seu deslocamento para o centro do Campo Literário Galego e para atingir na sua Galiza natal um justo reconhecimento que, no exterior, já tem consolidado desde há décadas.

 

SELECÇOM BIBLIOGRÁFICA DE ERNESTO GUERRA DA CAL

Como bem assinala Elsie Allen da Cal na biografia de Ernesto Guerra da Cal (1991:35), "A bibliografia activa e passiva da obra de ensaísta, de crítico e de erudito de G. da C. –que se estende por várias épocas de várias literaturas, e que se compõe de uma vintena de volumes e mais de uma centena de peças breves, ficaria aqui evidentemente descabida; por muitas razões: a primeira a do espaço". Estas mesmas palavras som de aplicaçom neste lugar e, portanto, citam-se só alguns dos seus trabalhos e das referências sobre ele. A outros foi aludido supra, e os interessados encontrarám mais dados em várias das produçons que se relacionam a continuaçom, tanto activas como passivas.

 

BIBLIOGRAFIA ACTIVA DE ERNESTO GUERRA DA CAL

A) Produçom científica

(VI-X-1945), "Don Segundo Sombra, Teoría y Símbolo del Gaucho", Mexico, Cuadernos Americanos, Vol. VII

(1946), "Galician Literature", in Encyclopedia of Literature, J. Shipley (ed), Nova Iorque, Philosophical Library, Vol. I.

(1947), "Camilo Castelo Branco", "Eugénio de Castro", "Abel Botelho", "João de Deus", "Abílio Guerra Junqueiro", "Fialho de Almeida", "Magalhães Lima", "Wenceslau de Morais", "António Nobre", "Oliveira Martins", "Camilo Pessanha", "Fernando Pessoa", "Portuguese Literatura", "Eça de Queiroz", "Antero de Quental", "Ramalho Ortigão", "Teixeira de Queiroz", "Trindade Coelho", in Columbia Dictionary of Modern European Litertura, Horatio Smith (ed), Nova Iorque, Columbia University Press.

(1952-1953), "J. M. de Alencar", "Casimiro de Abreu", "Aluízido de Azevedo", "A. de Castro Alves", "Euclides da Cunha", "Gonçalves Dias", "Machado de Assis", "Portuguese Literatura", Nova Iorque, Colliers Encyclopedia.

(X-1954), "Siete ensayos sobre Rosalía", Nova Iorque, Revista Hispánica Moderna, Vol. XX, nº 4.

(1954), Lengua y estilo de Eça de Queiroz, Coimbra, Por Orde da Universidade. (Novas ediçons portuguesas: 1966, editora Aster, com versom de Helena Cidade Moura; 1981, Coimbra, Almedina, versom portuguesa definitiva de Elsie Allen da Cal, supervisada polo autor).

(1955, en colaboración con Margarita Ucelay), Literatura del siglo XX, Nova Iorque, The Dryden Press. (2ª ediçom revista e aumentada em 1968, Nova Iorque, Holt Rinehart&Winston).

(1956-1960), "Acácio", "Alencar", "Amado Carballo", "Manuel Antonio", "Francisco Añón", "Bibliografia Geral da Literatura Galega", "Bilinguismo Galego", "Bilinguismo Castelhano", "Fermín Bouza Brey", "Ramón Cabanillas", "Caracteres da Literatura Galega", "Alfonso R. Castelao", "Cidade (A) e as Serras", "Escritores Contemporâneos na Galiza", "Crime (O) do Padre Amaro", "Ega, João da", "Fradique Mendes", "Gonçalo Mendes Ramires", "Aquilino Iglesia Alvariño", "Ilustre (A) Casa de Ramires", "Jacinto", "Jose Matias", "Juliana", "V. Lamas Carvajal", "Lorenzo Varela", "Luísa", "Maias (Os)", "Mandarim (O)", "Manuel Murguía", "Noriega Varela", "Otero Pedrayo", "Eduardo Pondal", "Primo (O) Basílio", "Relíquia, A", "Eça de Queiroz", "Realismo", "O Renascimento Galego", "Geração de 70", "Questão Coimbrã", "A Saudade na Literatura Galega", "O Teatro na Galiza", e "Vencidos (Os) da Vida", in Dicionário das Literaturas Portuguesa, Galega e Brasileira, Jacinto do Prado Coelho (dir.), Porto, Figueirinhas. (Ed. Brasileira: Rio de Janeiro, M. Aguilar, 1961).

(1957), "King Alfonso X, the Wise", in Las Cantigas del Rey Alfonso el Sabio, Nova Iorque, Experiences Anonymes ("Music of the Middle Ages").

(I/III-1958), "Galicia al trasluz", Nova Iorque, Revista Hispánica Moderna.

(1958), "Glosas superficiaes ao tema do mar da nosa lírica primitiva", in Homenaxe a Otero Pedrayo, Vigo, Galaxia.

(IX/X-1960), "El arte de Eugenio Granell", Paris, Cuadernos, nº 44.

(1960), "Os navegadores portugueses na descoberta e exploração dos Estados Unidos" in Comemorações Henriquinas em Nova York, Nova Iorque, A Luta.

(1960), "Manuel Bandeira-Cecília Meireles-Fernando Pessoa", in The Poem Itself: 45 Modern Poets in a New Presentation, Stanley Burnshaw (ed), New York, Rinehart and Winston, (ediçom europeia em 1964: The Poem Itself: 150 European Poems translated and analyzed, Middlesex, Pelican).

(VII-IX-1961), "Eça de Queiroz, Baudelaire et Le Parnasse Contemporain", Paris, Revue de Litterature Comparée.

(XI-1962), "Federico de Onis: Maestro de Maestros", Nueva York, La Voz.

(1963a) "Cantigas de Santa Maria" of King Afonso X. English version from medieval Galician by Professor Ernesto Guerra da Cal, New York. N.Y., Pro-Musica Antiqua, Decca.

(1963b), "Almeida Garret", "Luís de Camões", "Camilo Castelo-Branco", "Eugénio de Castro", "Inês de Castro", "Júlio Diniz", "J. M. Eça de Queiroz", "António Ferreira", "Alexandre Herculano", "The Lusiads", "Abílio Guerra Junqueiro", "Francisco de Moraes", "António Nobre" e "Garcia de Resende" in Grolier International Encyclopedia, Nova Iorque, Grolier.

(VI-1964), "O Renascimento Galego Contemporâneo", Luso-Brazilian Review, Vol I., nº I, The University of Wiscosin Press.

(1964), "Apresentazón", in Morris, Anne Maríe, Voz Fuxitiva, Vigo, Salnés.

(1964), (direcção editorial), The New Appleton-Cuyas Dictionary English-Spanish& Spanish-English, Doubleday&Company, Inc., Garden City, New York.

(1966), "Foreword", in Longland, Jean R., Selections from Contemporary Portuguese Poetry. A Bilingual Selection, by Jean R. Longland, New York, Harvey House, Inc.

(1967a), "J.M. Eça de Queiroz", Nova Iorque, European Authors.

(1967b), "J.M.Eça de Queiroz", Washington, The New Catholic Encyclopedia.

(1969), Língua e Estilo de Eça de Queiroz, Rio de Janeiro/São Paulo, Tempo Brasileiro/Editora da Universidade de São Paulo (Traduçom de Estella Glatt).

(1969), "Federico García Lorca", The Encyclopedia Americana, Nova Iorque, 9ª ed., Vol. XII.

(18/25-X-1970), "O Impacto da Cultura Brasileira nos EUA", Porto Alegre, Correio do Povo. (Reprod. no ano 2003 na Galiza, na revista Agália).

(1970a), A Relíquia, romance picaresco e cervantesco, Lourenço Marques Sociedade de Estudos de Moçambique. (nova ediçom em 1971, em Lisboa, Grémio Literário).

(1970b), "J.M.Eça de Queiroz", Nova Iorque, Encyclopedia Americana.

(1970-1971), "Acácio", "Basílio", in Grande Dicionário de Literatura e Teoria Literária, J. José Cochofel (coord.), Lisboa, Iniciativas Editoriais.

(1973), Problemas do Romance Cervantino e a sua Projecção no Romance Ibérico, Rio de Janeiro, Universidade Federal de Rio de Janeiro.

(VII-1974), "Da ambiguidade psicológica em Lusco-Fusco", Lisboa, Colóquio Letras.

(1975-1984), Lengua y estilo de Eça de Queiroz. Apéndice. Bibliografía Queirociana. Bibliografía Activa, Coimbra, Por Ordem da Universidade. (Num total de 6 volumes e uns 14.000 verbetes, em mais de 3.000 páginas).

(VII/IX-1975), "As cantigas de Pero Meogo", Vigo, Grial, nº 49.

(1977), "Realismo", in Língua Portuguesa. Ano Propedêutico 1977-78 (também com posterioridade), Lisboa, Secretaria do Estado do Ensino Superior.

(1981), "Novo assédio crítico a ‘Fuenteovejuna’. A Cruz de Calatrava como leitmotive cénico e estrutural", Coimbra, Revista da Universidade.

(1981), "A realidade conjectural num relato de Machado de Assis: ‘A Missa do Galo’", in In Memoriam. Ruben Andressen Leitão, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

(25-IV-1985), "Guerra da Cal lembra ao poeta Serafim Ferro. Evocação e Testemunho: Quem foi Serafim Ferro", Vigo, A Nosa Terra.

(1985), Antologia Poética. Cancioneiro Rosaliano. Lisboa, Guimarães Editores.

(I-1986), "Antelóquio Indispensável", Braga, Temas de O Ensino, nº 6.

(18/24-VIII-1986), "Federico Garcia Lorca. Rememoração", Lisboa, Jornal de Letras, ano VI, nº 215. (nova versom em 1987 na revista Nós, nº 4-6)

(15-21-XII-1986), ""A edição crítica da obra de Eça de Queirós. Um trabalho indispensável", Lisboa, Jornal de Letras.

(13-X-1988), "Isolina, Poeta Popular", Cascais, Jornal da Costa do Sol (reprod. in Santos, Isolina Alves, Semeei Rosas ao Vento, Al-Qabdaq-Boletim Cultural da Junta de Freguesia de Alcabideche).

(8-XII-1988), "Eça não queria ser enterrado em Lisboa", Lisboa, Europeu.

(1988), "Mensagem", Paris, Revista da Foundation Calouste Gulbenkian.

(1988-1989), "Apontamentos sobre as traduções dos principais romances de Eça de Queiroz", Pontevedra-Braga, Cadernos do Povo.

(30-I-1989, con outros asinantes galegos), "Parecer da ‘Comissão para Integração da Língua da Galiza no Acordo da Ortografia Unificada’ e da Fundação Europeia Viqueira-Instituto Internacional da Lusofonia sobre ‘As Bases da Ortografia Unificada’ de 1988. Da Academia das Ciências de Lisboa, com vistas ao reinício de uma negociação comum entre os países lusófonos, a Galiza inclusive", Pontevedra-Braga, Temas de O Ensino, nº 14-20.

(1989), "Textos e documentos: A Galiza nos escritores portugueses. Fialho de Almeida", Pontevedra-Braga, Nós.

(1992), "’Testamento de Mecenas’ (História do manuscrito de uma crónica póstuma de Eça de Queiroz", Revista da Universidade de Coimbra, vol. XXXVII.

(VI-1994), "Nótula lisbonense. Dois lusistas insólitos", A Corunha, Agália.

 

B1) Produçom literaria

(15-XI-1937), "Mariñeiro fusilado", Barcelona, Generalitat de Catalunya, Nova Galiza. (Reprod. na antologia dessa revista publicada pelo Collectiu de Cultura Popular, Barcelona, 1977, em ed. de Xosé Lois García)

(1946), "Procura", "Barcarola" e "Sagrada Familia", Nova Iorque, Memoria Anual de Unidad Gallega (Casa Galicia).

(1947) "Canto de Ribeira", "Ladaíña a Rosalía de Castro", Nova Iorque, Memoria Anual da Casa Galicia.

(V-1955), "Adivinha", Universidad de Puerto Rico, San Juan, Lorca, Hojas de Poesía, nº 2.

(IV-1959), "Serán mística", Rio de Janeiro, A Ordem, Vol, LXI, nº 4.

(VII/VIII-1959), "Frol de Mágoa, minha Terra!", Madrid, Ínsula, Vol. XIII, nº 152-153.

(VIII-1959), "Colóquio", Savador-Bahia, IV Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros.

(IX-1959), "Disparate miniado da morte do rei sábio", Rio de Janeiro, Jornal de Letras.

(1959), Lua de Alén Mar, Vigo, Galaxia.

(XII-1959), "Chamada a Rosalía na Derradeira Noite da Galiza", Nova Iorque, Memoria Anual da Casa de Galicia.

(1960), "Eternidade", "Non sum dignus", Lisboa, Cidade Nova.

(1960), "Rosalia. Perfil de Sombra", Lisboa, Jogos Florais Galaico-Portugueses. Paço dos Duques em Guimarães.

(VI-1961), Poemas, , Madrid-Palma de Mallorca, Papeles de Son Armadans

(1962), "Cantiga a Luís de Camões", Guimarães, Gil Vicente, Vol. XIII (2ª série), nº 5-6.

(X-1962), "Broadway, very late...", México, Vieiros, nº 2.

(1963b), Rio de Sonho e Tempo, Vigo, Galaxia.

(1963d), "Dos tiempos del amor", "Broadway, very late...", "Sede", "Elexía II", in Alejandro Finisterre (org.), Poesía de Galicia. Antología, México, Menhir.

(V/VI-1964), "Cantiga a Luís de Camões", São Paulo, Revista Camoniana, Ano I, nº 1.

(VII/IX-1964), "Ela", "Vida", Vigo, Grial.

(1964), "Dous poemas de Langston Hughes vertidos ao galego", Nova Iorque, Memória Anual da Casa de Galicia.

(1964), Três poetas em Auto-Leitura: Cassiano Nunes, Dora Vasconcelos, Ernesto Guerra da Cal, Nova Iorque, Brasilian Institute-New York University.

(VIII-1965), "Compaixón", "Enigma" (com versons de Manuel Bandeira), Rio de Janeiro, Jornal de Letras.

(XII-1965), "Canto Quinto Elementar", Lisboa, Colóquio, nº 36.

(VI-1966), "Seis Motivos do Eu", Madrid-Palma de Mallorca, Papeles de Son Armadans.

(X/XII-1966), "Adivinha", "Alva em maneira de Proençal", Lisboa, Perspectivas, III. Nº 12.

(XII-1968), "Paraíso da memória", Lisboa, Colóquio.

(XII-1969), "Dois poemas de Guerra da Cal", Rio de Janeiro, Jornal de Letras.

(23-XI-1970), "Canto Quinto Elementar", Lourenço Marques (Moçambique), Notícias,

(30-IX-1971), "Namoro Primeiro", Lisboa, Diário de Notícias, Revista de Artes e Letras.

(1972), "Non sum dignus", "Voltas", "Compaixon", "Rosario", "Sagrada Familia Marinheira", "Pelerinaxe final", in Francisco Carenas, Poetas españoles en U.S.A., Madrid, Rialp (colec. Adonais).

(III/VI-1973), "Que paisaxen é esta?", "Canto Quinto Elementar", Puerto Rico, Atenea, Año X, nº 1-2.

(V-1977), "Sonho vivo em paisagem morta", Lisboa, Colóquio Letras, nº 37.

(1978), "Cantiga antiga", in Do Barro, Xosé María (ed.), Mostra de Poetas Ferrolanos de Expresión Galega, Ferrol, Dia das Letras Galegas.

(1980), "Poemas", in Fernández del Riego, Francisco (ed.), Antoloxía de Poesía Galega. Do pós-Modernismo aos Novos, Vigo, Galaxia.

(28/X-5/XI-1981), "Conto de Fadas", Vigo, A Nosa Terra.

(XII-1981), "Conto de Fadas" Coimbra, Cadernos de Literatura, Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra. Instituto Nacional de Investigação Científica.

(19-XII-1981), "Canção dos primeiros 70 anos", Lisboa, Ferro, Luís Ferro (ed.), Tipografia Bras Monteiro.

(16/22-IV-1982), "Preito mítico ao Mariscal Dom Pedro Pardo de Cela, Herói e Mártir da Independência Galega, no 497º Aniversário da sua decapitação", Vigo, A Nosa Terra.

(V-1982), "Vitral", Madrid, Lóstrego. Irmandade Galega. Homenagem a José Rifón, nº 2.

(12/25-IV-1983), "Dois poemas inéditos de Guerra da Cal. ‘Suicídio’, ‘Guerra na distância’", Lisboa, Jornal de Letras, Artes e Ideias, nº 36.

(17-V-1983), "Ampulheta", "Lamento", Madrid, Lóstrego, Irmandade Galega.

(XI-1984), "Venus hermética e nua", Cascais, Identidade. Revista de Arte, nº 2.

(1984c), "Fim", in O Livro do Amor. 69 Poemas do Século XX, Vigo, E. Vicente.

(IV-1985), "Vitral", Coimbra, Cadernos de Literatura, Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra. Instituto Nacional de Investigação Científica, nº 47.

(VI-1985), "Mito", "Longe", Marim (Ponte Vedra), Carel, Revista de Creación do Ateneo Santa Cecília, nº 2.

(VI-1985), "Rosalia, Visão em Dois Tempos", Cascais, Identidade, Revista de Arte, nº 4.

(VI-1985), "Pátria", A Corunha, Agália, Revista da Associaçom Galega da Língua, nº 2

(10-VII-1985), "Conselho de Amigo", Porto, O Primeiro de Janeiro, p. 9.

(VII-1985), "Trágica rosa céltica" (versión do poema de D.C.Warnest), Lisboa, Colóquio-Letras,.

(2-VIII-1985), "Fé", Lisboa, Tempo, Semanário Liberal e Independente, Ano XI, nº 534.

(27-IX-1985), "Rosalia- Chamada a ela no Apocalipse da Galiza", Lisboa, Tempo, Ano XI, nº 266.

(10-X-1985), "Posição vital", Vigo, Faro de Vigo.

(1985), Antologia Poética. Cancioneiro Rosaliano. Lisboa, Guimaraes Editores.

(1985), Futuro imemorial (Manual de Velhice para Principiantes), , Lisboa, Livraria Sá da Costa Editora.

(5-VI-1986), "Um poema inédito de Guerra da Cal. ‘Escapadela’", Vigo, A Nosa Terra, "Guieiro".

(VII-1986), "Posicionamento", "Silêncio", Lisboa, Colóquio-Letras, nº 92.

(V/VIII-1986), "Poemas do tempo absoluto e relativo, dedicados a um famoso funámbulo defunto, Henri Bergson", Ponte Vedra-Braga, Nós, Revista Galaico-Portuguesa de Cultura, nº 2/3.

(29-IX/15-X-1986), "Divagação" e "Ambigüidade", Lisboa, Jornal de Letras, Ano VI, nº 221.

(IX/X-1986), "Praia Velha", "Ambiguidade", Ourense, Follas Secas, revista de información, creación, humor, nº 10.

(IX/X-1986), "Retorno a Tenochtitlán", Ponte Vedra-Braga, Nós, nº3-4..

(XII-1987), "Um poema de Guerra da Cal: ‘Ars Poética’", , revista da Asociación de Escritores en Lingua Galega, nº 2.

(V/XII-1987), "Toque de Rebate", Ponte Vedra-Braga, Cadernos do Povo, Revista internacional de Lusofonia, nº 2/3/4.

(1987), Deus, Tempo, Morte, Amor e outras bagatelas, Lisboa, Livros Horizonte.

(1987), "Niké", in Atencia, Maria Victoria, Os gestos usuais, Selec. e trad. de José Bento, Lisboa, Assírio e Alvim.

(1987), "Saudade" (versión galaico-portuguesa do poema de Maria Victoria Atencia), Málaga, Imprenta Sur (ao cuidado de Rafael León, 4 páginas)..

(1988), "Encontro marcado", Ponta Delgada, Diário dos Açores, no suplemento "Letras".

(1988), 6 poemas a Rosalia de Castro, Pontevedra-Braga, Fundação Europeia Viqueira-Instituto de Estudos Lusogalaicos.

(1990), Espelho Cego, Málaga, Plaza de la Marina.

(1991), Lua de Além-Mar, Rio de Sonho e Tempo, A Corunha, Agal.

(1991), "’Castelao’, poema de José Jorge Letria", Agália, nº 27.

(1992a), Mester de Poesia, Agália, nº 31.

(1992b), Coisas e Loisas, Málaga, Plaza de la Marina.

(1993), "Entressonho" e "Cavilação", Agália, nº 33.

(1993, con Victoria Atencia), Ménage, Málaga, Imprenta Sur.

 

B2) Produción literaria inédita publicada póstuma:

(1994), "Eucaristía Blasfema", Agália, nº 39.

(1994), "Decálogo Lírico", [tamén se encontran nese volume os poemas antologados "Domingo", "Janela na Noite", "Partida", "Outono", "Enigma", "Namoro Primeiro", "Desencontro", "Auto-Retrato", "Chamada a Ela na Apocalipse da Galiza", "Autocídio", "Iniciação", "Pavana Ritual para um Poeta Assassinado", "Retorno a Tenochtitlán", "Silêncio", "Amanhecer Seródio", "Otherness" e "Astro-Lábio"], in Álvarez Cáccamo, Xosé M., 50 Anos de Poesia Galega. Antoloxía. A Xeración do 36, A Coruña, Penta, pp. 72-96.

(1995), "Poema inédito", Temas de O Ensino, nº 27-38, Pontevedra-Braga.

(2000), "Ramalhete de Poemas Carnais", in Estudos dedicados a Ricardo Carvalho Calero, Santiago de Compostela, Parlamento de Galicia/Universidade de Santiago de Compostela, pp.71-80 (ed. facsimilar).

(2001), Caracol ao Pôr-do-Sol, A Corunha, Associaçom Galega da Língua.

 

B3) Produción literaria publicada sob a assinatura D. C. Warnest:

(1984), Homage to Federico Garcia Lorca on 30th Anniversary of his Death. 1936-1966, Friendlyville, New York, The Crotchety Cricket Press. (Reproducido in Os Poetas de Galicia cantan a García Lorca, 1998, Concello de Santiago, pp.160-166).

(1985), "Trágica rosa céltica", in Da Cal, Ernesto Guerra (org.), Antologia Poética. Cancioneiro Rosaliano (con nota biográfica e versión do inglés), pp. 249-255.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SOBRE ERNESTO GUERRA DA CAL

AA. VV., (1960 e ed. sucessivas), Who is Who in Education.

 

AA. VV., (1961 e ed. sucessivas), Who is Who in American.

 

AA. VV., (1973 e ed. sucessivas), The Writers Directory, New York.

 

AA. VV., (1973 e ed. sucessivas) The World Who is Who of Authors, Cambridge, Massachussets.

 

AA. VV., (1976 e ed. sucessivas), Men of Achievement, Cambridge, England.

 

AA. VV. (1991-1994), Congresso Internacional de Língua, Cultura e Literaturas Lusófonas. (Homenagem ao Professor Ernesto Guerra da Cal), revista Temas de O Ensino, números 27-38.

 

AA. VV., (Outono 1994), Ernesto Guerra da Cal, revista Agália, nº 39.

 

AA. VV., (1989), Homenagem a Guerra da Cal, Nós, revista Galaico-Portuguesa de Cultura, números 13-18.

 

AA. VV., (1997), Homenagem a Ernesto Guerra da Cal, Acta Universitatis Conimbrigensis, Universidade de Coimbra.

 

ÁLVAREZ CÁCCAMO, Xosé Maria, (19-VIII-1994), "Ensurdecedor silencio do Poeta Guerra da Cal", A Nosa Terra.

 

BLEIBERG, Germán e MARÍAS, Julián (dir), (1980), "Ernesto Guerra da Cal", in Diccionario de Literatura Española, Madrid, Ed. Revista de Occidente.

 

DA CAL, Elsie Allen (1991), "Esboço biográfico de Guerra da Cal, extractado do seu Curriculum vitae", in Lua de Além-Mar/Rio de Sonho e Tempo, A Corunha, Associaçom Galega da Língua.

 

DURÃO, Carlos, (1991), "Guerra da Cal, Poeta de Aquém e Além-Minho", in Lua de Além-Mar/Rio de Sonho e Tempo, A Corunha, Associaçom Galega da Língua.

 

FERNÁNDEZ DEL RIEGO, Francisco, (1995), "Guerra da Cal Poeta e Filólogo Galego-Portugués", Lisboa, Colóquio-Letras, nº 137-138.

 

FRANCO GRANDE, Xosé L., (1996), "Ernesto Guerra da Cal, unha guerra de identidade", A Trabe de Ouro, nº 26.

 

Gômez, Joel R., (IX-2000), Ernesto Guerra da Cal e o âmbito dos estudos queirosianos, Universidade de Santiago de Compostela, Trabalho de Investigaçom Tutelado.

---------------, (IV-2001), A produção queirosiana de Ernesto Guerra da Cal e o Polissistema Literário Português. (Estudo de um duplo processo de canonização), Universidade de Santiago de Compostela, Memória de Licenciatura.

---------------, (2001), "Ernesto Guerra da Cal, galego no mundo", in Do músculo da boca, Santiago de Compostela, Publicacións da Capitalidade Europea da Cultura, Concello de Santiago-Universidade de Santiago.

---------------, (2002a), "Ernesto Guerra da Cal: Um cientista e literato galego para o século XX", Ferrol, in Ernesto Guerra da Cal. Lonxe da súa terra matricial, Ferrol en tempo de historia. Recuperación da nosa memoria história, Concello de Ferrol, 2002 (publicado com anterioridade na revista Ferrol Análisis, em Agosto do mesmo ano, nº 17).

---------------, (2002b), "Ernesto Guerra da Cal", Portal Galego da Língua, Biografias, www.agal-gz.org.

---------------, (2002c), Fazer(-se) um nome. Eça de Queirós-Guerra da Cal: Um duplo processo de canonicidade literária na segunda metade do século XX, Sada, Ed. do Castro.

---------------, (VII/XII-2003), "Ernesto Guerra da Cal e o Brasil: um reconhecimento mútuo e frutífero", Agália, nª 73-74 (com ediçom do texto de Guerra da Cal "O impacto da cultura brasileira nos Estados Unidos").

---------------, (2003), "O estudo de Guerra da Cal sobre A Relíquia e a luta por um novo discurso canonizador queirosiano", Queirosiana, nº 13/14.

---------------, (2004), de colaboración con Elias J. Torres Feijó), "1900-2000: Um século para o processo de canonicidade de Eça de Queirós. A intervençom de Ernesto Guerra da Cal", Vila Real, Revista de Letras da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

---------------, (2004), "Um projecto de internacionalidade para a Língua e a Literatura da Galiza: Estratégias para a didáctica de Caracol ao Pôr-do-Sol, de Ernesto Guerra da Cal", A Coruña, Actas del VII Congreso Internacional de la Sociedad Española de la Lengua y la Literatura, Aurora Marco et alii (ed.), Diputación Provincial, Tomo I.

---------------, (2005), "O ensaio de Guerra da Cal sobre Eça de Queirós, modelo para Machado de Assis", Rio de Janeiro, Real Gabinete Português de Leitura, Atas do 2º Colóquio do Polo de Pesquisa Relaçoes Luso-Brasileiras "Deslocamentos e Permanências".

---------------, (2006), "Da Cal, Ernesto Guerra", Rio de Janeiro, Convergência Lusíada, nº 22.

 

GONZÁLEZ LÓPEZ, Emilio, (1973), "La plural actividad literaria gallega en los países de lengua inglesa", Universidad de Puerto Rico, revista Asonante, nº 1-2.

 

LORENZO VÁZQUEZ, Ramón, (12/15-II-1960), "Consideraciones a Lua de Alén-Mar", Santiago de Compostela, La Noche.

 

MARCH, Katleen, (1984), "Da Cal, Ernesto Guerra", in Dictionary of the Literature of the Iberian Peninsula.

 

MARTÍNEZ LÓPEZ, Ramón, (1976), "La literatura gallega en el exilio", in El exilio español de 1939, vol. VI, Madrid, Taurus.

 

MONTERO SANTALHA, Martinho, (19-VIII-1994), "Guerra da Cal, pioneiro do reintegracionismo", A Nosa Terra.

 

PIÑEIRO, Ramón, (1964), "Galegos fora de Galicia. Ernesto Guerra da Cal", Vigo, Grial, nº 5.

 

REIS, Carlos, (17-VIII-1994), "Ernesto Guerra da Cal. Evocação e Louvor", Lisboa, Jornal de Letras.

---------------, (1995), "CAL (Ernesto Guerra da)", in Biblos. Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa.

---------------, (1996), "DA CAL, Ernesto GUERRA", in Dicionário de Literatura Portuguesa (Organizaçom e Direcçom de Álvaro Manuel Machado), Lisboa, Presença.

---------------, (2000), Eça de Queirós: a escrita do mundo, Lisboa, Biblioteca Nacional-Edições Inapa.

 

VASCONCELOS, Taborda de, (1979), "CAL, Ernesto Guerra da", in Enciclopédia Verbo.

 

Sem Autor e sem data, "GUERRA DA CAL, Ernesto", in Gran Enciclopedia Gallega, Gijón, Ed. Silverio Cañada, Vol. XVII.

 

*p { margin-bottom: 0.21cm; }As referências biográficas de Ernesto Guerra da Cal contidas no presente trabalho encontram-se acrescentadas no volume: Fazer(-se) um nome. Eça de Queirós-Guerra da Cal, um duplo processo de canonicidade na segunda metade do século XX, de Joel R. Gômez, publicado em Ed. do Castro (Sada-A Corunha), secção Ensaio Filologia, no ano 2002. Este volume inclui também um texto prefacial de Elias Torres Feijó. As referências de bibliografia de, e sobre, Ernesto Guerra da Cal, encontram-se no estudo A trajectória de Ernesto Guerra da Cal nos campos científico e literário, editado pela Universidade de Santiago de Compostela ("Servizo de Publicacións e Intercambio Científico"; ISBN: 978-84-9887-257-6), no ano 2009.

Actualidade da Língua no PGL

  • Mordida - 0,00 €
    thumb

    A comida é o espaço em que se encontram o mercado e as tripas. Eugénio Outeiro reflecte sobre esta realidade no que é o seu segundo...

  • Abadessa, oí dizer - 10,00 €
    thumb

    Relatos eróticos de escritoras da Galiza.

    Autoras: Carmen Blanco, María Lado, Verónica Martínez, Raquel Miragaia, Teresa Moure, Emma Pedreira, Isabel Rei Samartim, Susana Sánchez Arins,...

  • O futuro é para sempre - 16,00 €
    thumb

    O futuro é para sempre. Experiência, expectativa e práticas possíveis tem por objectivo principal partir em busca de práticas possíveis, a partir das...