Galiza e o Galego

Galiza e o Galego

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar
no Facebook Compartilhar
no DoMelhor

Podemos, em conseqüência, imaginar umha Galiza que nom fale galego. Por exemplo, umha Galiza absolutamente castelhanizada. Ou, se queremos pensar numha situaçom menos radical, umha Galiza onde o galego seja respeitado, mas nom promovido. Ou mesmo umha Galiza onde o galego seja considerado como umha relíquia histórica, ou como umha típica modalidade folclórica que a fins turísticos convenha conservar. Poderíamos estabelecer reservas em que um fato de labregos e de intelectuais, vestidos com monteira e cirolas --os homes-- e dengue e mantelo --as mulheres--, vivessem subvencionados polo Estado, con­sagrados a falar, escrever, cantar, rir e chorar em galego com acompanhamento de gaita. Cousas semelhantes viam-se e vêm-se noutras latitudes.

Mas hai umha tradiçom, segundo expugemos, que aspira a outra fortuna para o galego. Essa tradiçom, a de Murguia e a Academia Galega, a de Risco e a revis­ta Nós, a de Vilar Ponte e as Irmandades da Fala, a de Otero Pedraio e o Seminá­rio de Estudos Galegos, para nom citar senom figuras e instituiçons cientificas e literárias, propugna o galego como língua de Galiza. Para os que nos educámos nesse ambiente, nom hai outra fórmula satisfactória. Nom vemos a Galiza falando noutra língua que o galego. Claro que este ideal implica problemas de organizaçom, devidos ao estado em que a língua se topa, à presença social do castelhano e à existência dum idioma oficial da Administraçom central. A resolu­çom destes problemas incumbe aos políticos. Aos estudiosos da língua corres­ponde-nos fornecer a informaçom precisa para essa resoluçom. E fazer votos porque os que temos já calcado desde hai tempo o sarego da velhez, presenciemos, endebém, a reinstauraçom difinitiva -- à que todos som convocados com respeito e amor-- do galego na vida da Galiza.

Ricardo Carvalho Calero (1980)

Actualidade da Língua no PGL

  • Mordida - 0,00 €
    thumb

    A comida é o espaço em que se encontram o mercado e as tripas. Eugénio Outeiro reflecte sobre esta realidade no que é o seu segundo...

  • Abadessa, oí dizer - 10,00 €
    thumb

    Relatos eróticos de escritoras da Galiza.

    Autoras: Carmen Blanco, María Lado, Verónica Martínez, Raquel Miragaia, Teresa Moure, Emma Pedreira, Isabel Rei Samartim, Susana Sánchez Arins,...

  • O futuro é para sempre - 16,00 €
    thumb

    O futuro é para sempre. Experiência, expectativa e práticas possíveis tem por objectivo principal partir em busca de práticas possíveis, a partir das...