Associaçom Galega da Língua

Pam, ‘pam'; norma lusitana, ‘norma lusitana’!

«O livro utiliza o Acordo Ortográfico», «eu escrevo no Acordo Ortográfico» ouve-se e lê-se com freqüência desde há algum tempo nos círculos reintegracionistas quando o respetivo falante ou redator se está a referir em exlusivo à norma lusitana, ao modelo de língua (escrita) do galego-português surgido e regulado em Portugal para codificar a variedade lusitana da nossa língua. É esta, com efeito, umha norma que umha parte do movimento reintegracionista utiliza na Galiza para plasmar (por escrito) a língua galego-portuguesa. Dessa plasmaçom, desse modelo, fam parte grafias, formas verbais, traços morfológicos e sintáticos, elementos lexicais… A outra norma utilizada por reintegracionistas galegos é, claro, a norma galega da AGAL, progressivamente estabelecida e regulada pola Comissom Lingüística da AGAL para codificar a variedade galega do galego-português, porque já a norma brasileira, polo seu considerável afastamento geográfico, morfossintático e...

Continuar...
 
 

Jon Amil: «Quero umha Galiza na qual a gente nom pense que vou dançar se digo que “vou mover a cadeira”»

Jon AmilJon Amil é um viguês a acabar os estudos de Medicina. Está a preparar o trabalho de fim de grau e estuda para o exame MIR. Foi aluno de português na EOI de Compostela e hoje tem um blogue pessoal (As MIR e unha noites) onde apresenta curiosidades e notícias relacionadas com a medicina, para além de colaborar em muitos projetos na Internet.

Jon, tu procedes de umha família metade basca e metade galega. Qual foi o teu relacionamento com a língua? Como chegaste ao galego?

Dadas as circunstâncias, ninguém podia ter previsto que eu acabasse sendo galegofalante. A minha mae, orgulhosa irundarra, veu à Galiza pouco antes de eu nascer, e o seu conhecimento prévio de galego era nulo. Na minha casa a língua era o castelhano.

A escola nom equilibrou a balança do bilinguismo. Na educaçom infantil o galego nom existia. Quando chegou o primeiro ano de educaçom primária, a mestra perguntou “¿Cuántos de vosotros sabéis gallego?”. Ninguém levantou a mão. Es...

Continuar...
 
 

AGAL doou mais de 1.200€ no que vai de ano a iniciativas sociais

No que vai de ano, a Associaçom Galega da Língua (AGAL) realizou doações por valor superior aos 1.200 € que se destinárom a diferentes projetos sociais. Para este cometido, a entidade reintegracionista encontrou a colaboraçom de vários dos autores que publicárom trabalhos com o selo editorial da AGAL, a Através Editora, mas nom só.

Conforme noticiado no PGL no mês de dezembro, entre os objetivos estratégicos da AGAL está a colaboraçom com a rede de escolas Semente, com as quais incrementou a colaboraçom nos últimos tempos. Entre as iniciativas adotadas a este respeito destaca a implementaçom no formulário on-line de associaçom à AGAL umha opçom para colaborar diretamente com as escolas Semente. Desta maneira, as pessoas sócias da AGAL que se tornarem «amigas» deste projeto educacional, podem determinar quanto dinheiro querem achegar à iniciativa.

Umha outra linha de colaboraçom, de teor bem diferente, constituem-no os direitos de autoria das obra...

Continuar...
 
   

Teatro Nacional Dona Maria II de Lisboa estreia «Sax Tenor», versão portuguesa da obra de Vidal Bolaño

Sax TenorNa sexta-feira e no sábado, o público galego poderá desfrutar em Santiago de Compostela de Sax Tenor, adaptação portuguesa da obra de Roberto Vidal Bolaño que chega da mão do Teatro Nacional Dona Maria de Lisboa.

A obra

Uma desgraça suburbana improvável entre loucos, gangsters, proxenetas e prostitutas: foi assim que Roberto Vidal Bolaño subtitulou esta peça escrita em 1991. O compostelano Roberto Vidal Bolaño foi um dos mais importantes dramaturgos, diretores e atores galegos contemporâneos. Em Sax Tenor, o autor —herdeiro legítimo de Ramón María del Valle-Inclán— propõe um verdadeiro esperpento de final do século XX.

Esta peça recebeu o Prêmio Álvaro Cunqueiro 1991 ao melhor texto teatral original, que agora chega à sua cidade da mão da companhia nacional de teatro lisboeta Dona Maria II.

A incorporação da obra de Vidal Bolaño ao seu repertório é o resultado do acordo que a companhia lusa mantém com o Centro Dramático Galego (CDG) da Conse...

Continuar...
 
 

O ‘ludo-reintegracionismo’ galego prepara-se para o DdoOLeR’15, Dia do Orgulho Lusista e Reintegrata

DdoOLeR 2015Na vindoura segunda-feira, 25 de maio, o ludo-reintegracionismo galego celebrará, polo nono ano consecutivo, o seu evento mais lúdico: o Dia do Orgulho Lusista e Reintegrata (também conhecido polo seu esquisito acrônimo de DdoOLeR). Esta celebraçom decorre simultânea ao XV Dia Internacional da Toalha (homenagem póstuma ao saudoso criador d’O Guia do Mochileiro das Galáxias, Douglas Admas).

Seguindo a esteira de Carlos Quiroga (2007), João Guisan Seixas (2008), Quico Cadaval (2009), Ugia Pedreira (2010), Carlos Valcárcel (2011), Teresa Moure (2013) e Séchu Sende (2014), a madrinha da ediçom deste ano será a filóloga, professora e poeta Susana S. Arins (Vila Garcia de Arouça, 11 de maio de 1974).

Com motivo da efeméride, às 20h00 (GMT+2) e com a presença da madrinha do DdoOLeR’15, haverá um (re)lançamento do livro DdoOLeR (2007-...

Continuar...
 
   

Pág. 3 de 50