Erro
  • Erro ao carregar dados do sinal web.

Vieiros entrevista o presidente da AGAL

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar
no Facebook Compartilhar
no DoMelhor

PGL - O portal Vieiros publicou ontem umha vídeo-entrevista ao presidente da AGAL, Valentim R. Fagim. A situaçom da língua galega, os direitos civis das pessoas de prática reintegracionista ou a «filologizaçom» do debate normativo fôrom alguns dos pontos tratados na conversa.

Para Fagim, «nom é inteligente» a estratégia de «jogar a que o galego só se faga no âmbito da Espanha», referência implícita à dimensom internacional da língua galego-portuguesa. Nesta linha, perguntado sobre quando «abraçou o reintegracionismo», respondeu que um dia se encontrou na duche a cantar Eu sei que vou-te amar, de Caetano Veloso, «e digo "se eu canto isto é evidente que é a minha língua"».

Perguntado acerca da «guerra normativa» da década de '80 do século passado e da sua repercussom sobre o processo normalizador, o presidente da AGAL responde que «houve umha série de pessoas que têm umha responsabilidade. Nom se chegou a um acordo porque umha das partes nom quijo ceder, e isso nom ajudou». Ao seu ver, houvo umha tentativa de «filologizar» a sociedade, mas isso «é absurdo», ao seu ver, porque «o tema da língua é muito simples: é para comunicar».

Fagim também se refere na entrevista ao potencial da internet na difusom e popularizaçom da proposta reintegracionista, porque as possibilidades «som espectaculares». Como exemplo, assinalou a recente criaçom da loja online Imperdível. «Isto está feito por nós. Nom temos qualquer tipo de barreira ou censura, e avançamos muito».

Outra das questões tratadas na conversa é a dos direitos civis das pessoas reintegracionistas. Valentim R. Fagim assinala o paradoxo que se dá entre umhas declarações feitas por Feijóo em que afirmava que o galego nos comunica com 200 milhões de pessoas, e a realidade mercê à qual as pessoas que escrevem «alho» em lugar de «allo» vem muitas vezes diminuídos os seus direitos.

A vídeo-entrevista finaliza com umha mensagem positiva acerca do rascunho do chamado Decreto do plurilingüismo, segundo o qual o galego verá reduzida a sua presença no âmbito educacional. Para Fagim, a proposta está a ter um efeito positivo no que tem a ver com que o espanholismo «tirou a máscara» e agora as organizações normalizadoras, entre as quais a AGAL, se vem obrigadas a falar mais entre si «e fazer tácticas conjuntas».

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.
Adobe Flash Player not installed or older than 9.0.115!
Get Adobe Flash Player here

+ Ligações relacionadas:

Actualidade da Língua no PGL

  • Mordida - 0,00 €
    thumb

    A comida é o espaço em que se encontram o mercado e as tripas. Eugénio Outeiro reflecte sobre esta realidade no que é o seu segundo...

  • Abadessa, oí dizer - 10,00 €
    thumb

    Relatos eróticos de escritoras da Galiza.

    Autoras: Carmen Blanco, María Lado, Verónica Martínez, Raquel Miragaia, Teresa Moure, Emma Pedreira, Isabel Rei Samartim, Susana Sánchez Arins,...

  • O futuro é para sempre - 16,00 €
    thumb

    O futuro é para sempre. Experiência, expectativa e práticas possíveis tem por objectivo principal partir em busca de práticas possíveis, a partir das...